quarta-feira, 25 de junho de 2008

A dimensão desse sentimento.


As horas parecem não passar por aqui.
Estou agoniada.
Não posso esconder nada de mim.
Estou sentindo falta.
Estou sentido a sua falta.
Nesse lugar longe de tudo, quase incomunicável, onde faz tanto frio.
Sinto tanta saudade de você!
Não poderia dimensionar essa falta a alguns instantes atrás.
Mas agora eu sei, agora sei como é bom dormir contigo, como é bom ter seu cafuné antes de dormir, como é bom pegar no sono em seus braços, como é bom ouvir suas besteiras pela noite, ouvir você pedir que eu saia da net e que vá deitar logo, pedir que tome outro banho.
Não sei o que está acontecendo.
O sensor que ativa quando o controle da situação estar na minha mão, parece estar danificado. Eu perdir totalmente todo o controle.
E estou me dando conta que a cada dia que se passa, o vento dá força a esse fogo, e em vez de apagar ele se acende mais e mais.
Realmente não sei que decisão tomar.
E a única certeza que possuo nesse momentos é que a sua presença hoje, aqui, seria essencial para essa solidão, saudade, e agonia de querer saber como você estar e não poder |por estar nesse fim de mundo que nem o celular funciona|, ter um fim.

Dó, ré, mi...


Letras e mais letras, reunião de frases e o aperfeiçoamento com um tom qualquer.
Música!
Me acalma. Me completa. Me ensina. Me faz refletir.
Muitas delas é uma reflexão completa do que estou vivenciando ou já vivenciei.
Pessoas diferentes, histórias parecidas.
Uma capacidade inusitada de muitos compositores...
Tocam a alma, afloram emoções e sentimentos contidos, e enquanto a música dura a sensação de liberdade perdura, risos sem motivos ou lágrimas derramadas, gritos eufóricos ou relaxamento total.
Nada como ouví-las quando a solidão prevalece e a noite cai.
Nada como ouví-las quando se quer dançar e esquecer do mundo.
Nada como ouví-las depois de uma prova bem ou mal sucedida.
Nada como ouví-las quando dirige por horas sozinho.
E mais uma vez, nada como ouví-las quando se lembra de um amor ou momentos marcantes de sua vida.
A música movimenta o bem, a dor, a alegria, o amor!

Amo música.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Incidentes sem importância..


Tem gente que se lamenta por tudo.
Eu me lamento, é fato.
Mas tudo no seu limite!
Tem gente que sobrepõem suas tristezas.
Tem gente que acha que só ela sofre.
Que só ela ama.
Que só ela dá tudo de si, e que os outros têm obrigação de fazer o que ela julgar certo ou errado.
Tem gente que é pessimista ao extremo, sendo capaz de em algum momento passar seu pessimismo ao demais.
Tem gente que sempre se faz de vítima, e nunca há de conseguir se tornar autor de certas atitudes por causa disso.
Tem gente que sempre transparece gostar de perder, gostar deixar que os outros a façam de escada.
Tem gente que não tem vida própria.
Tem muita gente que não sabe que antes de amar qualquer pessoa, você deve se conhecer, nem que seja o mínimo, você deve se amar, nem que seja pouco e ainda necessita não precisar dela em dose multiplicada.
E ainda tem gente que acha o maior de todos os sofrimentos, o dela.

Muitas de minhas lamentações são guardadas só pra mim.
Tristezas ocultas, que ninguém jamais soube que algum dia vivenciei.
E isso é necessário, pois assim aprendo a enxergar que nem sempre preciso dividir meus medos e meus momentos obscuros com alguém.
As vezes é bom estar à margem de todos e poder tirar suas próprias conclusões, seus próprios apredizados, assim abstraindo momentos obscuros que vivenciou e tendo a certeza que sempre pode ter a vitória em suas mãos.


Considerar a nossa maior angústia como um incidente sem importância, não só na vida do universo, mas da nossa mesma alma, é o princípio da sabedoria.
Fernando Pessoa!

terça-feira, 3 de junho de 2008

~Quando a morte chega perto!


Cada vez que o meu organismo não funciona de maneira adequada e ultrapassa alguns limites, a impressão é que a morte está chegando perto.
Hoje passei mal!
O ar não chegava aos meus pulmões da forma corretaa, minhas mãos não se fechavam como sempre fecham...
Músculos enrijecidos, membros quase imóveis...
A impressão era que estava num formigueiro, de tanto que meu corpo formigava.
Rosto, pernas, braços, mãos...Tudooo...Todo o corpo!
Ainda agradeço por não ter sido como a primeira vez, porque a primeira vez que isso aconteceu foi muito pior!
Pra mim, minhas mãos iam ficar duras para sempre, e algo parecido com um derrame estava prestes a acontecer!

Deus é mais...

Hoje não desmaiei, não cair...
Fiz de tudo pra ficar mais calma possível, pois não é nada fácil fingir que não se importa quando você não consegue respirar normalmente.
Uma agonia tomava meu corpo, sensação horrível!
Parecia que ia morrer, sufoco, imobilidadee!
Mas aos poucos foi passando e só assim a morte tomava distância de mim.
Os médicos chegaram, me passava uma confiança e tranquilidade extremas.

Pressão 10/8
Glicose normalizada. Em falar nisso, exame de glicose dói demais. Que dor terrível! Pensei que houvessem retirado meu dedo.
Batimentos dentro do permitido!

Nada como uma dose de calmante, para que depois de algum tempo a menininha dormisse por horas, como um anjinho.
Que também ajudou para aprimorar a minha lerdeza, até o nome "capote", eu esquecii.

Mas graças a Deus, tudo chegou ao seu fim e agora estou bem.
Mesmo tendo que tomar uns calmantes de vez em quando.
Bye bye stress!
É o que pretendo!
Recomendações médicas!