segunda-feira, 29 de novembro de 2010

~'. Há certas horas...

Há certas horas, em que não precisamos de um Amor...
Não precisamos da paixão desmedida...
Não queremos beijo na boca...
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama...

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado...
Sem nada dizer...

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...

Alguém que ria de nossas piadas sem graça...
Que ache nossas tristezas as maiores do mundo...
Que nos teça elogios sem fim...
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade
inquestionável...

Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...
Alguém que nos possa dizer:

Acho que você está errado, mas estou do seu lado...

Ou alguém que apenas diga:

Sou seu amor! E estou Aqui!


William Shakespeare
O nosso amor, precisa ser além de tudo o nosso amigo, o nosso companheiro que esteja disposto a nos ajudar a qualquer momento.Há momentos que apenas precisamos de carinho, de atenção, de alguém que nos jogue lá pro alto e que depois nos pegue no colo.Uma relação precisa que esses vários pontos distintos sejam preenchidos, pra que possa dar certo.Ninguém vive só de sexo, só de beijo na boca, de amassos.Mas também ninguém vive só de passeio ao shopping de mãos dadas, de afeto superficial, de mais amizade do que namoro, num relacionamento amoroso.Tem horas, que apenas precisamos da companhia de quem a gente gosta.E isso basta!
Precisamos do pouco de cada flor, para que possamos fazer um buquê lindo e colorido.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

~'. Mudança de direção...

~'. Sabe quando seus defeitos tomam forma de som e penetram pelos seus ouvidos num barulho ensurdecedor?
Pois é.
Foi assim.
Eu tenho um defeito nítido de deixar tudo pra depois, de às vezes ser meio ou totalmente passiva em relação as coisas.
Eu sei que sou assim, mas também sei que venho tentando mudar, venho tentando arrancar de dentro de mim o que não me faz bem, o que me estagna, o que me deixa pra trás.
Mas toda mudança requer tempo, requer atenção devida pra esse desvio de caminho.
Eu só preciso de tempo pra começar agir diferente.
Pra começar a mudar de direção.
Ando tão preocupada em relação a isso.
Eu não quero que achem que sou dependente dos outros, como certas pessoas vem achando.
Eu não sou.
O meu problema é que eu faço as coisas do jeito que eu quero e na hora que acho que devo.
Você tem um ritmo diferente do meu, e talvez isso tenha nos equilibrado no decorrer desse longo tempo.
Até ontem.
É, o tempo vai passando e não podemos deixar que as coisas que nos incomodam um pouco, tomem proporções maiores. Temos que expor, tentar um acordo, tentar colocar um ponto nelas.
É assim que acho que deva ser.
E é assim que acho que deveria ter sido feito.
Há intimidade pra isso, intimidade sem tamanho.
Eu não posso deixar os problemas crescerem desordenadamente pra procurar resolvê-los, posso?
Não.
Quando achamos que uma lagarta não pode se transformar em uma borboleta, vai levar o tempo pra que se perceba isso.
Eu quero dizer, que por achar que sou tão passiva de tudo, tudo que eu faço... a seus olhos vai se tornar passivo.
E mesmo que eu mude de uma maneira rápida, você vai demorar mais um tempo pra perceber isso.
Eu tenho tentado, juro que tenho.
E já vejo algumas conquistas quanto a isso.
Eu não vou deixar que nada, eu disse nada... nem que esse nada seja eu, destrua meus planos, destrua um sentimento e me separe de algo que eu amo de verdade.
Eu vou mudar, mas só porque eu acho que devo, porque eu acho que preciso me tornar melhor em relação a isso, que preciso ter mais força de vontade nas minhas conquistas.
É isso.
Só preciso de tempo e um pouco de ajuda pra resolver essa questão que tanto me dói.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

~'. Constante Contradição

~'. Às vezes não sou tão aberta a mudanças, quanto digo que sou.
Elas chegam sem pedir licença, atropelando tudo que foi erguido com esforços, e no final temos que aceitá-las de qualquer forma, e seria bom que fosse da forma mais rápida.
Eu mudo de uma forma constante, voraz, às vezes calma... às vezes avassaladora.
Muitas vezes demora para que a percepção de atitudes novas, venha a surgir efeito sobre mim.
Sou muito ligada ao que fiz, ao que vivi, ao impacto que causei em vidas alheias, até onde deixei fluir as coisas, até onde dei liberdade... que não me sentia ( e de vez em quando até hoje não me sinto) no direito de desfazer tudo.
De repente eu me vejo, e percebo que não sou mais a mesma, que me transformei. E sempre foi um trabalho árduo mudar em relação as pessoas. Sempre foi difícil entender que se eu mudei, não faz mais sentido algum continuar agindo da mesma forma... Nem que seja pra preservar alguém, ou algo, ou algum momento, ou seja lá o que for.
Mas como fazer planos, dizer coisas, viver momentos com pessoas e depois olhar e dizer: -Não quero mais que seja assim, esse plano está desfeito, as coisas que disse não valem mais, aquilo foi só um momento passageiro?!
Sou do tipo de pessoa que se coloca por inteiro no lugar do outro. Sou do tipo de pessoa, que pensa, repensa, 'tripensa no que vai falar as pessoas por quais tenho um sentimento, um laço. E por agir dessa forma, ainda não me conformava totalmente em me contradizer a cada instante passado.
Mas é isso que sou, uma contradição sem tamanho que ainda muitas vezes não consegue se assumir, pra não magoar, pra não dar a impressão que tudo foi ilusório... passageiro, que foi uma mentira. Porque não foi, nada na minha vida é/foi uma mentira.
Muitas mudanças me deixam sem reação, mesmo que eu procure, mesmo que eu implore que um caminho seja mostrado, esse caminho não aparece. E só me resta amadurecer para que possa enxergar melhor, pra que possa ver detalhadamente a estrada surgindo passo a passo, se aproximando a cada segundo passado e assim achar uma solução plausível pra resolver o que me preocupa.
Mudanças... Mudanças... Muitas nos fazem bem, nos fazem melhor. E se olharmos com atenção, veremos que as piores mudanças nos destinam a sermos melhores também. Basta entender tudo o que se passa, e olhar o mundo com um olhar mais otimista.
Constante mudança, constante contradição, é isso que sou.