sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

...


Muitas vezes me sinto sem vida...
Me sinto como apenas uma entre tantas...
E isso não me é conveniente!
Eu quero mais.
Eu quero mais do que apenas isso.
Pra a felicidade embarcar na minha viagem, preciso de coisas novas, preciso não me deixar cair na rotina.
Eu quero várias sub-rotinas.
Não gosto do normal, do desinteressante, da mesmice. Tenho necessidade de coisas novas, momentos novos, emoções novas.
Gosto de descobrir, sentir o que achava que não conhecia, da adrenalina, não constante mais em grande parte.
Eu quero me sentir viva!
Fazendo algo diferentes, algo que dê prioridade ao meu prazer, ao meu eu.
Tenho notado que paralizei em ações diárias que só fazem se repetir, e isso me sufoca, me entristece, preciso de algo diferente para me libertar.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

¬¬


Quando começo a falar dela, um nojo me toma.. Uma pena sem tamanho.
Uma menina calculista, maquiavélica, que poderia usar essa inteligência para terminar o ensino médio ainda incompleto.
Sem uma proposta de futuro.
Sem fatos ou conquistas que concatenem caminhos.
Apenas um pensamento voltado para a tentativa de destruição da vida alheia.
Apenas se importa em tentar deteriorar laços que não são facilmente destruidos.
Apenas se importa em pôr mais problemas na cabeça de alguém que não tem nada a ver com os seus problemas.

É sem noção de dimensão, a pena que sinto dela.
Uma mistura de coisas ruins.
Ás vezes acho, que falo mais do que sinto. Que quando começo a escrever, as coisas vem em dose dupla.
Mas eu tenho tanta coisa presa na garganta... Palavras certa e verdadeiras prontas para serem cuspidas.
Só me falta uma oportunidade. Uma molécula qualquer...
Só preciso que não saia de onde me encontro, e que me fale alguma coisa.
Cara a cara..
Pessoalmente.
Uma oportunidade de dizer o que quero, naquela cara de louca, desvalida, invejosa, vingativa...
Menosprezada!
Alguém que não sabe o que é amor, além de dizer repetidas vezes que ama.
Alguém incapaz de ser franca e olhar nos meus olhos.
Alguém que usa a bondade de boa vontade das mentes fracas, pra se tornar o que sempre quis.
A queridinha!
Coisa que nunca será!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

É ele mesmo?


Ele é peverso...
Não tem piedade de mim.
Me obriga a fazer o que a razão impede, me faz economizar as razões... me faz desperdiçar emoções.
Ele brinca comigo.
Me faz de gato e sapato.
Atrai o que mais tenho de sacana.
Ele joga comigo e sempre acabo caindo no seu jogo, por vontade própria ou por vontade dele.
Ele me deixa fantasiar e viver ao mesmo tempo.
Com ele, pra ele... não há limites. Nada é superficial, pelo contrário, tudo tem que ter sua profundidade exata e muitas vezes é como um poço que não paramos de cavar.
Pra ele tudo passa tão rápido que é preciso pressa pra ver as coisas.
Ele ver além.. Além da roupa, além do riso, além de uma palavra.
Ele ver além do que o outro pode ver, mesmo que o outro tenha as mesmas oportunidades que ele.
As vezes chega a cometer absurdos a olhos alheios.
Mas ele não se importa.

Ele?
Ele não ligam para o que falam, acham ou opinam.
Ele tem vontade própria.

Ele?
Ele além de tudo é bom, é maravilhoso.

Ele?
Ele cega tudo ao redor e só enxerga o seu foco.

Ele?
Ele é o desejo!