quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

É ele mesmo?


Ele é peverso...
Não tem piedade de mim.
Me obriga a fazer o que a razão impede, me faz economizar as razões... me faz desperdiçar emoções.
Ele brinca comigo.
Me faz de gato e sapato.
Atrai o que mais tenho de sacana.
Ele joga comigo e sempre acabo caindo no seu jogo, por vontade própria ou por vontade dele.
Ele me deixa fantasiar e viver ao mesmo tempo.
Com ele, pra ele... não há limites. Nada é superficial, pelo contrário, tudo tem que ter sua profundidade exata e muitas vezes é como um poço que não paramos de cavar.
Pra ele tudo passa tão rápido que é preciso pressa pra ver as coisas.
Ele ver além.. Além da roupa, além do riso, além de uma palavra.
Ele ver além do que o outro pode ver, mesmo que o outro tenha as mesmas oportunidades que ele.
As vezes chega a cometer absurdos a olhos alheios.
Mas ele não se importa.

Ele?
Ele não ligam para o que falam, acham ou opinam.
Ele tem vontade própria.

Ele?
Ele além de tudo é bom, é maravilhoso.

Ele?
Ele cega tudo ao redor e só enxerga o seu foco.

Ele?
Ele é o desejo!

Um comentário:

Vanessa disse...

O desejo é insosso.

Tenho cada vez mais certeza.